Japão diz que Coreia do Sul deve oferecer garantias por acordo sobre trabalhos do período da guerra

O Japão afirmou que um plano do governo da Coreia do Sul para resolver a questão entre os dois países envolvendo trabalhos realizados no período da guerra deve incluir uma garantia de que o lado sul-coreano não vai exigir que empresas japonesas paguem indenizações.

Na semana passada, a Coreia do Sul revelou um plano para utilizar uma fundação ligada ao governo para efetuar pagamentos aos autores de ações no lugar de empresas do Japão envolvidas em ações judiciais em razão da questão de trabalhos realizados no período da guerra.

Desde então, chanceleres e altos funcionários da chancelaria do Japão e da Coreia do Sul têm realizado uma série de intercâmbios. Segundo um alto funcionário do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão, a proposta está definitivamente na fase final de conclusão.

Algumas pessoas dentro do governo japonês dizem que o acordo somente será possível se ele não contradisser a posição de Tóquio de que qualquer direito a reivindicações foi resolvido de forma completa e final em 1965, quando o Japão e a Coreia do Sul normalizaram suas relações.

Tóquio acredita que, mesmo em tal situação, é necessário ter uma garantia de que empresas japonesas não serão obrigadas a realizar mais pagamentos no futuro.

Em 2018, a Suprema Corte da Coreia do Sul ordenou que empresas do Japão indenizassem pessoas que dizem que elas ou seus parentes foram forçados a trabalhar para as companhias durante a Segunda Guerra Mundial.