Nesta terça-feira, 17 de janeiro, completam-se 28 anos desde a ocorrência do Grande Terremoto de Hanshin-Awaji

Nesta terça-feira, completam-se 28 anos desde a ocorrência do Grande Terremoto de Hanshin-Awaji, também conhecido como Terremoto de Kobe, que deixou 6.434 pessoas mortas.

O poderoso sismo abalou a província de Hyogo, na parte oeste do Japão, e áreas próximas, no dia 17 de janeiro de 1995, provocando a destruição de muitos edifícios e o irrompimento de incêndios por todas as áreas afetadas.

Um serviço memorial realizado no parque Kobe East contou com cerca de 10.000 lanternas, dispostas em forma dos números "1.17" e de caracteres que constituem a palavra "Musubu", ou "elo", em japonês. As autoridades esperam que esse evento ajude a reunir cidadãos de várias gerações, de modo que as lições aprendidas com a catástrofe sejam transmitidas aos jovens.

Os participantes dedicaram uma oração em silêncio às 5h46, no momento exato em que ocorreu o terremoto.

O tamanho do evento, realizado anualmente, havia sido reduzido desde o início da pandemia do coronavírus. Contudo, este ano, os organizadores decidiram retornar à escala pré-pandemia, com o dobro do número de lanternas utilizadas no ano passado.

Porém a província de Hyogo se depara com o desafio desalentador de manter vivas as memórias do desastre. Uma pesquisa mostra que o número de cerimônias em memória realizados por grupos de cidadãos na província diminuiu cerca de 30%, em comparação com os anos anteriores à pandemia do coronavírus. Além disso, menos escolas e jardins de infância realizam sessões de oração silenciosa ou treinamentos de evacuação por volta desta época do ano.