Ex-ministro encarregado da justiça no Brasil é preso em investigação sobre tumultos na capital

A polícia brasileira prendeu o ex-ministro da pasta da justiça, Anderson Torres, um aliado próximo do ex-presidente Jair Bolsonaro, recentemente derrotado nas eleições.

Torres, que havia se tornado secretário de segurança pública da capital, Brasília, era o encarregado quando prédios governamentais sofreram ataques em 8 de janeiro.

Cerca de 4.000 apoiadores de Bolsonaro invadiram e vandalizaram o Congresso e outros prédios, incluindo o palácio presidencial. Mais de 1.300 pessoas foram presas.

A polícia prendeu Torres no sábado quando ele retornava ao Brasil de viagem aos Estados Unidos.

Há suspeitas de que Torres teria intencionalmente deixado de agir para coibir o ataque na capital, apesar de ter conhecimento do plano. Ele deixou o país antes dos tumultos.

A polícia local informou ter encontrado na residência de Torres o rascunho de um decreto revogando os resultados da derrota de Bolsonaro no pleito presidencial realizado em outubro.

Torres se pronunciou através de sua conta no Twitter afirmando ter sempre atuado de modo ético e lícito, e que acredita que a verdade vai prevalecer.

Os promotores devem questionar Torres em conexão com o suposto envolvimento do ex-presidente nos tumultos.