Suspeito de assassinato do ex-premiê Abe é transferido à delegacia de polícia após avaliação mental

Yamagami Tetsuya, suspeito de ter assassinado a tiros o ex-primeiro-ministro Abe Shinzo, foi transferido para uma delegacia de polícia na cidade de Nara, na parte oeste do Japão, após ter sido submetido a uma avaliação psiquiátrica.

Abe foi morto a tiros no mês de julho de 2022 quando fazia um discurso de campanha eleitoral em Nara. A polícia tem mantido Yamagami sob detenção por suspeita de assassinato e outras acusações. Ele foi enviado pelos promotores a um centro de detenção para determinar se ele pode ser considerado criminalmente responsável.

A avaliação mental durou cerca de seis meses, começando em julho do ano passado. O processo envolveu entrevistas com o suspeito acerca do seu ambiente familiar e relacionamento com a mãe, que pertencia ao grupo religioso bastante conhecido como a Igreja da Unificação.

Yamagami havia dito à polícia que foi motivado a cometer o ato levado pelo rancor que tinha pelo grupo. Ele disse que atirou em Abe porque acreditava que o ex-primeiro-ministro possuía relações próximas com a entidade.

Parentes de Yamagami disseram que ele reclamou por ter que responder repetidamente às mesmas perguntas, tais como "o que você acha das doações de sua mãe para o grupo".

Os promotores concluíram que Yamagami é mentalmente capaz para ser julgado. Eles fizeram a avaliação com base nos resultados das examinações e em fatores como a manufatura de armas caseiras e a suposta preparação cuidadosa para o ataque verificando o cronograma de campanha de Abe.

Os promotores planejam indiciar Yamagami até sexta-feira, quando termina o seu período de detenção.