Premiê japonês indica que vai realizar eleições gerais “no tempo apropriado”

O primeiro-ministro do Japão, Kishida Fumio, sugeriu que vai dissolver a Câmara Baixa e propor uma eleição geral “no tempo apropriado”.

O comentário foi feito durante um debate na emissora NHK no domingo.

A administração Kishida enfrenta uma baixa taxa de aprovação após uma série de renúncias de ocupantes de postos ministeriais e revelações sobre laços entre parlamentares do partido governista e o grupo religioso amplamente conhecido como Igreja da Unificação.

Segundo Kishida, tais problemas fizeram-no lembrar da importância da confiança na política.

O premiê expressou a intenção de trabalhar para solucionar uma gama de questões relacionadas aos setores de energia, defesa nacional e econômico. Também enfatizou a necessidade de melhorar a taxa de natalidade do país.

O Japão ocupa a presidência do Grupo dos 7 neste ano e será o anfitrião da reunião de cúpula, prevista para maio em Hiroshima. Na segunda-feira, Kishida parte em viagem rumo a cinco dos membros do G7: França, Itália, Reino Unido, Canadá e Estados Unidos. Ele deve assegurar a seus colegas que o Japão irá desempenhar um papel central em desafios como a invasão da Ucrânia pela Rússia.