Governo japonês intensificará patrulhamento nas suas águas territoriais

O governo do Japão planeja intensificar o patrulhamento em suas águas territoriais em resposta a uma crescente presença de embarcações chinesas dentro e em volta das águas próximas às Ilhas Senkaku.

O governo elaborou uma política de elevar a capacidade da Guarda Costeira do país, incluindo o patrulhamento de suas águas através de navios e aeronaves.

O movimento ocorre após o aumento das atividades marítimas da China em 2022 nas proximidades das Ilhas Senkaku, na província de Okinawa. O Japão controla as ilhas. China e Taiwan as reivindicam. O governo japonês sustenta que não há questão de soberania a ser resolvida em relação às ilhas.

Em dezembro, os navios do governo chinês navegaram nas águas territoriais do Japão na área por 72 horas e 45 minutos. Esta é a mais longa intrusão do tipo desde 2012, quando o governo japonês comprou algumas das ilhas de propriedade particular de um cidadão japonês.

O total de dias que os navios do governo chinês foram avistados na zona contígua logo além das águas territoriais japonesas chegou a 336 no ano passado, o número de dias mais alto observado em todos os tempos.

Em novembro, a Guarda Costeira avistou, nas águas japonesas, um navio do governo chinês que se acredita que estava equipado com um canhão de 76 milímetros. O canhão era o maior visto em todos os tempos no caso de uma embarcação que se aproximou das águas.

A política do governo propõe aumentar o orçamento da Guarda Costeira para o próximo ano fiscal para o maior valor registrado até agora, de 243,1 bilhões de ienes, ou cerca de 1,8 bilhão de dólares. Também propõe acrescentar mais quatro grandes navios de patrulha às embarcações da Guarda Costeira.