Japão promete empenhar-se em prol da paz mundial como membro não permanente do Conselho de Segurança da ONU

O embaixador do Japão nas Nações Unidas prometeu fazer esforços para manter a paz e a segurança na comunidade internacional, uma vez que o país serve como membro não permanente do Conselho de Segurança.

A cerimônia de instalação das bandeiras dos cinco recém-eleitos membros não permanentes do conselho foi realizada na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, na terça-feira. Os cinco membros são Japão, Suíça, Malta, Equador e Moçambique, que ocuparão os assentos por dois anos a partir de 2023.

O enviado do Japão para a ONU, Ishikane Kimihiro, disse que as responsabilidades assumidas pelos membros do Conselho de Segurança são maiores do que nunca.

Também disse que eles precisam reconfirmar os princípios e a filosofia da Carta da ONU para defender o Estado de Direito e pensar no que podem fazer pelas muitas pessoas, cuja segurança e subsistência se encontram atualmente ameaçadas.

Esta é a 12ª vez que o Japão é eleito para ocupar um assento não permanente no Conselho de Segurança, uma frequência maior do que a de qualquer outro membro da ONU. O país também ocupará a presidência rotativa mensal do conselho em janeiro.

Cinco membros permanentes, incluindo os Estados Unidos e a Rússia, e dez membros não permanentes têm assento no conselho. Os membros não permanentes são eleitos para mandatos de dois anos, sendo que cinco deles são substituídos a cada ano.