Morre aos 91 anos o arquiteto japonês Isozaki Arata

Morreu aos 91 anos o internacionalmente renomado arquiteto japonês Isozaki Arata, reconhecido por pioneiros projetos pós-modernos.

Segundo fontes, Isozaki faleceu na quarta-feira de causas naturais em sua casa na cidade de Naha, província de Okinawa.

Isozaki nasceu na cidade de Oita, no sudoeste do Japão. Formado pelo Departamento de Arquitetura da Faculdade de Engenharia da Universidade de Tóquio em 1954, Isozaki continuou fazendo pós-graduação naquela universidade sob a supervisão do proeminente arquiteto japonês Tange Kenzo.

Em 1963, Isozaki fundou seu próprio estúdio, e suas primeiras obras foram principalmente na sua região natal de Kyushu, incluindo a antiga Biblioteca Provincial de Oita e a Biblioteca Pública Central de Kitakyushu.

Isozaki chamou a atenção internacional com seu projeto para o edifício Tsukuba Central Building, na província de Ibaraki, ao norte de Tóquio, que foi inaugurado em 1983. A obra foi considerada um exemplo de seu pós-modernismo que desafiou a padronização da arquitetura moderna.

Ele foi também aclamado por outras obras que projetou ao redor do mundo, incluindo o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles e o Palau Sant Jordi, uma arena coberta da Olímpiada de 1992 em Barcelona.

Em 2019, Isozaki recebeu o Prêmio Pritzker de Arquitetura, um prestigioso reconhecimento que é apelidado de Prêmio Nobel da profissão.

Os organizadores do prêmio descreveram Isozaki como sendo “verdadeiramente internacional”, já que ele “foi um dos primeiros arquitetos japoneses a lançar projetos fora do Japão durante um período em que, tradicionalmente, países do Ocidente influenciavam o Oriente.”