Nações ocidentais e Rússia permanecem divididas em relação à Ucrânia

A mais recente rodada de conversações entre nações ocidentais e a Rússia com o objetivo de amenizar as tensões militares ao redor da Ucrânia terminou em impasse.

Uma reunião da Organização para Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) foi realizada em Viena, na Áustria, na quinta-feira. Integrantes da organização incluem Estados Unidos, nações europeias e Rússia.

O encontro se segue a conversas entre os lados russo e americano em Genebra, na segunda-feira, e a uma conferência da Otan com participação da Rússia, realizada em Bruxelas, na quarta-feira. Ambas reuniões não conseguiram conciliar as diferenças.

A Rússia argumenta que nações ocidentais ignoram seu pedido de uma garantia jurídica de que a Otan não vai expandir sua membresia. O Ocidente, por sua vez, pede que o lado russo retire as estimadas 100 mil tropas lotadas perto da fronteira com a Ucrânia.

O ministro das Relações Exteriores da Polônia, Zbigniew Rau, que também ocupa atualmente a presidência da OSCE, afirmou: “Parece que o risco de guerra na região é agora maior do que nunca nos últimos 30 anos”.

O ministro russo das Relações Exteriores, Sergey Lavrov, disse em uma entrevista à emissora estatal, na quinta-feira, que espera que os Estados Unidos venham a emitir até a semana que vem uma resposta por escrito às propostas feitas por Moscou. Lavrov ressaltou que as negociações futuras dependerão de como os Estados Unidos e a Otan vão reagir.