Pai de japonesa sequestrada fala à NHK no aniversário da filha

Quarta-feira marcou o aniversário de 62 anos da japonesa Arimoto Keiko, que foi sequestrada décadas atrás por agentes da Coreia do Norte.

Ela tinha 23 anos quando foi sequestrada, em 1983, ao viajar pela Europa depois de concluir um programa de estudos em Londres. Akihiro, pai de Arimoto, que tem 93 anos de idade, falou quarta-feira à NHK desde sua moradia em Kobe, cidade da região oeste do Japão. Manifestou desejo de dizer a Arimoto Keiko que, se estiver viva, ela precisa persistir pois será capaz de retornar ao Japão.

Akihiro disse considerar urgente que o governo japonês faça todo o possível para trazer de volta ao país entes queridos sequestrados, inclusive atuando em estreita colaboração com os Estados Unidos e pedindo apoio à China, que tem laços próximos com a Coreia do Norte.

A mãe de Arimoto Keiko morreu em fevereiro de 2020 aos 94 anos de idade. Até a sua morte, familiares celebraram o aniversário de Keiko com pratos caseiros e um bolo. Pelo segundo ano consecutivo, porém, abstêm-se de celebrar o aniversário dela com pratos especiais.

Akihiro disse que gostaria que a sua mulher tivesse vivido por mais alguns anos, pois ela desejava se reencontrar com a filha. Expressou esperança de que a questão dos sequestros tivesse sido resolvida quando a sua mulher ainda estava viva.

Arimoto Keiko é um dos 17 japoneses que o governo do Japão reconhece como tendo sido sequestrados e levados para a Coreia do Norte entre 1977 e 1983. Cinco deles retornaram ao Japão em outubro de 2002, um mês após a reunião de cúpula realizada entre o governo japonês e o norte-coreano.