Japão quer ajudar Indonésia a reduzir dependência de termoelétricas que emitem CO2

O Japão pretende ajudar a Indonésia a utilizar amônia como combustível misto para a geração de energia térmica, com o objetivo de fomentar uma sociedade neutra em carbono no Sudeste Asiático.

Durante seu atual giro por países da Asean, o ministro da Economia, Comércio e Indústria do Japão, Hagiuda Koichi, deve trocar um memorando de entendimento sobre o projeto com o ministro da Energia da Indonésia.

O Sudeste Asiático depende fortemente de energia a carvão. A Indonésia usa o mineral para produzir quase 60% de sua eletricidade.

Tem aumentado as críticas internacionais contra geração de energia movida a carvão, já que este método libera grandes quantidades de dióxido de carbono. Já a amônia, por sua vez, não libera o gás causador do efeito estufa ao ser queimada.

A partir de abril, a Mitsubishi Heavy Industries está marcada para conduzir um estudo com uma companhia indonésia de geração de energia elétrica para descobrir se a instalação terá a capacidade de usar o combustível misturado com amônia. O governo japonês pretende oferecer ajuda financeira ao projeto.

O governo do Japão estima que o projeto deva criar negócios equivalentes a bilhões de dólares no Sudeste Asiático caso entre na fase de uso prático.