Aliança militar liderada pela Rússia envia tropas ao Cazaquistão

Uma aliança militar liderada pela Rússia enviou o que chama de Forças Coletivas de Manutenção da Paz ao Cazaquistão para ajudar a restabelecer a segurança no país. A nação da Ásia central tem observado maciços protestos antigoverno.

A Organização do Tratado de Segurança Coletiva, CSTO na sigla em inglês, enviou as unidades militares na quinta-feira a pedido do governo cazaque. A aliança conta com seis países da ex-república soviética.

As forças consistem em tropas da Rússia e de outras nações. A CSTO afirma que vai atuar no Cazaquistão por um período limitado de tempo, com o fim de estabilizar a situação.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia emitiu uma declaração na quinta-feira afirmando que Moscou vai “continuar a consultar de perto o Cazaquistão e outros aliados da CSTO para analisar e desenvolver, caso necessário, medidas ainda mais efetivas”.

A declaração acrescenta que a CSTO pode vir a ajudar na “operação antiterrorismo das agências de aplicação da lei do Cazaquistão”.

Ademais, afirma que a Rússia vê o recente desenrolar da situação no Cazaquistão como “tentativas provocadas por agentes externos de perturbar a segurança e a integridade do Estado por meios violentos, incluindo a ação de grupos armados organizados e bem treinados”.

Cidadãos do Cazaquistão têm tomado as ruas em protesto contra o aumento dos preços dos combustíveis.

A imprensa russa afirma que centenas de manifestantes se reuniram em uma praça da cidade de Almaty, a maior do país, na quinta-feira. Alguns deles teriam entrado em conflito com as forças de segurança.

O Ministério do Interior do Cazaquistão afirma que cerca de 2 mil manifestantes foram presos. Há relatos de que mais de mil pessoas ficaram feridas em todo o país.