Jornalistas em detenção registraram novo recorde em 2021

Um grupo internacional baseado em Paris afirmou que um número recorde de 488 jornalistas estavam detidos em vários países por motivos relacionados ao seu trabalho.

A organização Repórteres Sem Fronteiras afirmou em seu relatório anual publicado no mês passado que os números são os maiores desde que começaram a ser registrados em 1995.

A China, incluindo Hong Kong, liderou a lista pelo quinto ano consecutivo, com 127 jornalistas detidos. O país foi seguido por Mianmar com 53, o Vietnã com 43 e Belarus com 32.

Um fotógrafo freelancer morreu em custódia em Mianmar. Ele vinha documentando as manifestações contra o exército, que tomou o poder em um golpe em fevereiro passado.

A mídia local afirmou que o fotógrafo pode ter morrido depois de ser agredido durante um interrogatório.

O secretário geral do Repórteres Sem Fronteiras, Christophe Deloire, expressou preocupação sobre “o número extremamente alto de jornalistas em detenção arbitrária”, afirmando, “é um reflexo do fortalecimento do poder ditatorial no mundo inteiro”.

Ele conclamou a comunidade internacional a tomar ações para proteger os jornalistas, considerando sanções contra os países que detenham arbitrariamente os jornalistas.