Robôs vão inspecionar e remover material radioativo de Fukushima 1

A operadora da usina Fukushima 1, palco de um acidente nuclear durante o terremoto e tsunami de 2011 no Japão, planeja inspecionar e coletar amostras dos reatores danificados com a ajuda de robôs neste ano.

A tarefa é um passo importante nos trabalhos de desmantelamento da unidade.

Três dos quatro reatores da usina tiveram derretimento nuclear após o desastre de 2011. O combustível atômico derretido vazou para o fundo dos vasos de contenção dos reatores. Ele acabou se misturando com peças metálicas ao redor e formou resíduos sólidos.

A Companhia de Energia Elétrica de Tóquio planeja inspecionar o reator 1, um dos que sofreram derretimento, através de robôs a partir de meados de janeiro. A checagem deve levar cerca de seis meses. Os robôs vão usar equipamentos de ultrassom para localizar e medir a grossura dos depósitos de combustível.

Preparativos para extrair resíduos de combustível do reator 2, outro que também foi danificado, já estão em andamento. Um robô desenvolvido no Reino Unido a ser empregado na operação está passando por testes no Japão.

A operadora da usina também planeja coletar algumas gramas dos resíduos de combustível com a ajuda dos robôs até o fim do ano. Ela espera aumentar a quantidade extraída ao longo do tempo.

A remoção e o armazenamento seguro dos resíduos extremamente radioativos são considerados um dos maiores desafios no processo de desmantelamento da usina.