Corte sul-coreana ordena venda de ativos da Nippon Steel

Uma corte da Coreia do Sul aprovou a venda de ativos apreendidos da empresa japonesa Nippon Steel para indenizar autores da ação, que buscam compensações por trabalhos realizados no período da guerra.

Em 2018, a Suprema Corte da Coreia do Sul ordenou à Nippon Steel que indenizasse sul-coreanos que afirmam ter sido forçados a trabalhar para a firma no Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

Segundo fontes judiciárias, uma instância distrital da corte na cidade de Daegu odenou, na quinta-feira, a venda de ações da empresa mantidas na Coreia do Sul que, posteriormente, foram confiscadas pelos autores da ação. A decisão da corte é a segunda do gênero no país.

Em um outro caso sobre a questão de trabalhos realizados no período da guerra, uma corte distrital aprovou, em setembro, a venda de alguns ativos apreendidos da empresa japonesa Mitsubishi Heavy Industries. A companhia apelou imediatamente da decisão.

O governo japonês afirma que qualquer direito a reivindicações foi resolvido de forma completa e final em 1965, quando o Japão e a Coreia do Sul normalizaram suas relações. O governo cita que as ordens de indenização emitidas a firmas japonesas e os procedimentos legais violam a lei internacional, e está pedindo à Coreia do Sul que retifique a situação.