Renda média anual de empregados efetivos no Japão cai em meio à pandemia de coronavírus

Um levantamento mostrou que a renda média anual de empregados efetivos no Japão caiu em meio à pandemia de coronavírus, especialmente para aqueles na faixa etária dos 20 aos 40 anos. Cortes nas horas extras provavelmente tiveram um impacto.

A firma de recursos humanos Persol Career analisou dados de cerca de 450 mil empregados efetivos cadastrados em seu site de recolocação profissional na internet durante um ano até o mês de agosto. Eles têm idades que vão de 20 a 65 anos.

O levantamento apurou que os empregados efetivos ganharam, em média, 4,03 milhões de ienes anuais, ou cerca de 35 mil dólares. Isso representa uma queda de 60 mil ienes, ou por volta de 520 dólares, em relação a um ano antes.

Empregados efetivos na casa dos 20 anos receberam aproximadamente 29,6 mil dólares. Já o número para aqueles na faixa etária dos 30 anos foi de cerca de 38 mil dólares. Por sua vez, pessoas na casa dos 40 anos ganharam por volta de 43,6 mil dólares. A média caiu entre pouco mais de 600 dólares e quase 700 dólares.

Segundo funcionários da Persol Career, o aumento do trabalho remoto e cortes no horário de trabalho causaram aparentemente uma redução no pagamento de horas extras e bonificações.

Por outro lado, a renda anual daqueles na casa dos 50 anos ou mais foi de aproximadamente 53,3 mil dólares em média, ou o mesmo em relação ao ano anterior. Muitos daqueles nessa faixa etária ocupam postos administrativos, tornando-os menos suscetíveis a alterações no pagamento de horas extras.

A Persol Career afirma que o número de pessoas cadastradas em seu site de recolocação profissional tem aumentado.