Polícia japonesa suspeita que China estaria por trás de plano de ataque cibernético

Segundo autoridades do governo japonês, há suspeitas de que um ex-estudante da China teria tentado comprar ilegalmente um sofisticado software de segurança de computadores vendido no Japão.

Fontes da investigação dizem que o ex-estudante, na faixa dos 30 anos, teria alegadamente tentado comprar o software de tecnologia avançada em 2016. Apenas companhias no Japão têm permissão para comprar esse tipo de software.

As fontes suspeitam que o suspeito estaria agindo sob ordens de uma pessoa ligada ao Exército de Libertação Popular da China para a compra do software, utilizando o nome de uma empresa fantasma. Contudo, a tentativa foi frustrada pela companhia que vende o produto, que suspeitou e cancelou a transação.

A Polícia Metropolitana de Tóquio interrogou o ex-estudante em regime voluntário, mas depois descobriu que ele havia saído do Japão. A polícia obteve uma ordem de prisão para o homem, sob suspeita de tentativa de fraude.

A polícia suspeita que a China teria tentado obter informações sobre medidas de segurança utilizadas por empresas japonesas com o objetivo de encontrar pontos vulneráveis e realizar ataques cibernéticos contra essas companhias.

As autoridades pretendem pedir à Interpol que inclua o suspeito chinês em uma lista internacional de indivíduos procurados pela polícia.