Ministro da Defesa do Japão transmite à China preocupações com situação no Mar da China Oriental

O ministro da Defesa do Japão, Kishi Nobuo, falou com sua contraparte chinesa, Wei Fenghe, e transmitiu as sérias preocupações sobre o que ele chama de tentativas unilaterais por parte de Pequim de alterar o status quo pela força.

As duas autoridades conversaram através de uma videoconferência na segunda-feira, a pedido do Japão. Esta é a primeira vez que os dois realizam conversações desde o mês de dezembro do ano passado. Kishi levantou preocupações sobre a situação no Mar da China Oriental, assim como das águas ao redor das Ilhas Senkaku.

O Japão controla as ilhas. China e Taiwan as reivindicam. O governo japonês sustenta que não há questão de soberania a ser resolvida em relação às ilhas.

Kishi expressou sua oposição às tentativas unilaterais da China envolvendo embarcações militares e governamentais. Ele exortou a China a exercer autocontenção. Kishi também disse que a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan são cruciais para a segurança do Japão e da comunidade internacional e acrescentou que o Japão está acompanhando de perto os desenvolvimentos.

Kishi disse que a preocupação internacional está se elevando com os movimentos da China em aumentar, de forma velada, os gastos no setor de defesa e na modernização e expansão de suas forças. Ele pediu que a China aja de forma mais responsável.

Os dois concordaram em visar o lançamento de uma linha direta entre suas autoridades de defesa até o final do próximo ano para evitar um choque acidental entre as Forças de Autodefesa do Japão e as forças militares da China.