Estudo indica que duas doses de vacina não são tão eficazes contra variante ômicron

Segundo informações obtidas pela NHK, testes de laboratório conduzidos no Japão mostram que a inoculação com duas doses da vacina contra o coronavírus apresenta muito menos eficácia contra a variante ômicron comparando com a eficácia em relação à variante delta.

Uma equipe liderada pelo professor Katayama Kazuhiko, da Universidade Kitasato, mediu os níveis de anticorpos neutralizantes em células cultivadas coletadas de amostras sanguíneas de 12 pessoas inoculadas com duas doses da vacina. Os anticorpos neutralizantes funcionam como proteção contra um vírus.

Seis das pessoas testadas haviam recebido duas doses da vacina da Pfizer e as demais, duas doses da vacina da Moderna. Os níveis de anticorpos das amostras coletadas de pessoas que tomaram a segunda vacina da Pfizer três meses antes caíram, em média, 72% em comparação com os níveis observados contra a variante delta. Os níveis nas amostras colhidas das pessoas que receberam a segunda vacina da Moderna três meses antes caíram, em média, 82%.

O professor Katayama diz que as descobertas nos experimentos realizados no laboratório não significam que as vacinas são totalmente ineficazes contra a variante ômicron. Ele pede que as pessoas completamente vacinadas continuem tomando as medidas básicas contra a infecção.

Estudos realizados no exterior também indicaram que as vacinas existentes são bem menos eficazes contra a variante ômicron.