Geração de eletricidade por carvão nos EUA deverá aumentar pela primeira vez desde 2014

A geração de eletricidade por queima de carvão em termelétricas nos Estados Unidos deverá aumentar pela primeira vez em sete anos.

A Administração de Informação Energética dos Estados Unidos prevê que, em 2021, a produção deste tipo de energia terá aumentado 22% em relação ao ano anterior, registrando a primeira alta desde 2014.

O órgão cita como fator uma demanda mais elevada de eletricidade em consequência da reabertura da economia após restrições impostas na crise do coronavírus.

Diz, além disso, que os preços do gás natural em alta levaram companhias de energia elétrica a usar mais carvão — combustível com preços relativamente estáveis.

No estado americano da Virgínia Ocidental, companhias de energia elétrica planejam prolongar a vida útil de termelétricas movidas a carvão que estavam com desativação prevista.

O governo Biden atribui prioridade a medidas relacionadas a mudanças climáticas e tem por meta reduzir a dependência dos Estados Unidos em relação a combustíveis fósseis.

Participantes da conferência da ONU deste ano sobre mudanças climáticas (COP-26) comprometeram-se a reduzir gradualmente a geração de eletricidade por queima de carvão.

Contudo, a Agência Internacional de Energia diz que a China e a Índia estão usando mais carvão. Prevê que este ano a produção global de eletricidade por queima do combustível será a maior já registrada.

A agência está pressionando governos nacionais a fazer frente às emissões resultantes da queima de carvão.