Premiê japonês não deve comparecer à conferência de revisão de tratado sobre armas nucleares

Fontes no governo japonês informam que o premiê Kishida Fumio provavelmente não vai participar da conferência de revisão do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares, programada para ocorrer nos Estados Unidos em janeiro. Acredita-se que, em vez disso, ele vai se concentrar no combate à pandemia do coronavírus.

O tratado entrou em vigor em 1970. Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China são os cinco países reconhecidos como potências nucleares. O acordo também requer que estas cinco nações trabalhem em prol do desarmamento nuclear.

O tratado foi prorrogado por tempo indefinido em 1995, mas uma conferência de revisão é realizada a cada cinco anos. A próxima reunião será realizada em Nova York a partir de 4 de janeiro, após quase dois anos de adiamento devido à pandemia.

O premiê japonês vinha considerando participar da conferência de revisão e se tornar no primeiro líder japonês a fazê-lo.

Contudo, fontes informam que Kishida provavelmente agora vai ficar no Japão para focar sua atenção em medidas contra o coronavírus. Um outro fator é a continuada disseminação do vírus nos Estados Unidos.