Kishida Fumio anuncia manutenção de medidas contra ômicron em controle de fronteiras

O primeiro-ministro do Japão fez um pronunciamento à nação após o Parlamento ter finalizado a sua última sessão na terça-feira. Kishida Fumio disse que o governo irá manter as restrições mais severas de entrada ao país em resposta à variante ômicron do coronavírus.

Ele disse: "O governo adotará medidas preventivas para conter a variante ômicron. Pessoas que tiveram contato próximo com uma pessoa infectada serão requisitadas a permanecerem em um dos locais designados para isolamento por 14 dias, ao invés de fazerem a quarentena em casa".

Até o momento, o governo não está permitindo a entrada de estrangeiros que não sejam residentes no país.

Originalmente, a medida foi adotada com a previsão de durar até o final de dezembro, mas Kishida agora diz que ela será mantida, apesar de não informar uma data exata para seu fim.

O governo irá decidir sobre o assunto após reavaliar a situação.

O premiê disse que o governo está acelerando a distribuição das doses de reforço e se preparando para distribuir medicamentos via oral para tratamento da Covid-19.