Militares em Miamar alvejam celebridades que dão suporte ao retorno à democracia

Os manifestantes contra o golpe ocorrido em Mianmar continuam a tomar as ruas para mostrar sua resistência de diversas formas. Os militares, além de intensificar as medidas violentas para reprimir os manifestantes, também estão aumentando a pressão sobre celebridades que dão apoio ao retorno à democracia.

Os manifestantes estão agora se dividindo em grupos menores para escapar das forças de segurança. Na terça-feira, na maior cidade do país, Yangon, os cidadãos lançaram tinta vermelha em uma rua próxima ao local onde vários manifestantes foram mortos.

Um deles disse: “A tinta vermelha representa o sangue dos heróis mortos em combate. Esta é uma forma de enviar a mensagem de que seu sangue ainda não secou”.

Enquanto isso, os militares expandiram seus alvos para as celebridades, incluindo atores e influenciadores de redes sociais. Um jornal estatal publicou uma lista de pessoas acusadas de violar as leis propagando notícias que afetam a estabilidade do país.

Uma atriz citada na lista disse à NHK, em um texto, que vai continuar a se pronunciar e que não vai parar até que a democracia retorne.

O número total de mortos tem continuado a aumentar desde o golpe do dia 1º de fevereiro. Uma organização não governamental local que defende os direitos humanos reportou que 570 civis foram mortos até agora pelas forças de segurança.