EUA condenam sentenças de corte de Hong Kong contra ativistas pró-democracia

Um porta-voz do Departamento de Estado americano condenou as mais recentes sentenças de sete ativistas pró-democracia em Hong Kong, afirmando que a decisão mina as liberdades no território.

Ned Price fez o comentário a repórteres na quinta-feira após uma corte de Hong Kong ter classificado como culpadas sete pessoas acusadas de realizar reuniões não autorizadas envolvendo protestos antigoverno em agosto de 2019. Os acusados já participavam do movimento pró-democriacia há muitos anos.

Price afirmou que as sentenças mostram o grau com que as autoridades da China e de Hong Kong “têm procurado reprimir todas as formas de dissidência pacífica”. Classificou as decisões da corte como “mais um exemplo da deterioração das liberdades em Hong Kong” pelas autoridades responsáveis.

O porta-voz americano afirmou que os Estados Unidos continuam apoiando os milhões de pessoas de Hong Kong que têm se manifestado de forma pacífica para proteger a autonomia e as liberdades do território.

Acrescentou que os Estados Unidos devem continuar a responsabilizar as autoridades chinesas e de Hong Kong, indicando que o país possa vir a tomar contramedidas.

O secretário de Estado americano, Antony Blinken, recentemente disse ao Congresso que Hong Kong não possui garantia de tratamento preferencial dos Estados Unidos, que é concedido somente mediante condição de que esteja assegurado o alto grau de autonomia no território. Blinken mencionou o controle mais rígido por parte de Pequim como razão para o posicionamento em questão.