Chanceler americano diz ser inapropriado atribuir status especial a Hong Kong

O secretário americano de Estado, Antony Blinken, declarou ao Congresso dos Estados Unidos que não é apropriado Washington atribuir tratamento preferencial a Hong Kong porque a China comprometeu gravemente os direitos e a liberdade da população do território.

Numerosos legisladores e ativistas pró-democracia de Hong Kong têm sido presos e indiciados desde que entrou em vigor no ano passado uma lei de segurança nacional para o território. Além disso, a China decidiu esta semana adotar um sistema de triagem de candidaturas para eleições em Hong Kong com o objetivo de assegurar que os legisladores sejam leais a Pequim.

Em nota divulgada quarta-feira, o secretário americano afirma: “ Nos últimos 12 meses a China vem dilapidando continuamente o elevado grau de autonomia de Hong Kong.” Diz também ter assegurado ao Congresso que atualmente não se justifica atribuir ao território, sob a legislação dos Estados Unidos, tratamento preferencial nos mesmos moldes que leis americanas foram aplicadas a Hong Kong antes de 1º de julho de 1997.

Blinken acrescentou: “Estou comprometido a trabalhar continuamente com o Congresso, assim como com nossos aliados e parceiros pelo mundo afora, para apoiar a população de Hong Kong contra políticas e atos flagrantemente inadequados da China.”

A iniciativa demonstra que o governo Biden pretende manter a atitude rigorosa da administração de Donald Trump em relação à China.