Grupo de minoria étnica de Mianmar pede por ajuda internacional

Um dos grupos dissidentes de minoria étnica de Mianmar pediu por suporte internacional às pessoas que estão fugindo dos ataques aéreos executados pelos militares do país.

A União Nacional de Karen emitiu uma declaração na terça-feira fazendo um apelo à comunidade internacional, em especial à Tailândia, a fornecer ajuda humanitária aos residentes. O grupo diz que as tropas terrestres das forças armadas estão sendo alocadas nos seus territórios.

O apelo ocorre uma vez que os militares de Mianmar continuam a aplicar medidas enérgicas aos manifestantes contra o golpe. Uma organização local que defende os direitos humanos diz que as forças de segurança abriram fogo na região de Tanintharyi, na parte sul do país, e em outras localidades, deixando oito pessoas mortas na terça-feira.

Os militares também conduziram ataques aéreos contra grupos étnicos armados no estado de Karen, no sudeste de Mianmar, que estão a favor dos manifestantes, e muitas pessoas atravessaram a fronteira com a Tailândia para escapar.

Enquanto isso, a emissora de televisão estatal reportou que o alto general Min Aung Hlaing, líder das forças armadas, disse que suas tropas devem revidar um ataque contra um destacamento militar executado por militantes de uma minoria étnica.

Em meio às crescentes tensões, Don Pramudwinai, chanceler da Tailândia, disse que os líderes da Associação das Nações do Sudeste Asiático, a Asean, vai realizar um encontro de cúpula já no mês de abril para discutir a situação vigente em Mianmar.