Japão condena situação em Mianmar

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Motegi Toshimitsu, emitiu uma declaração no domingo sobre o crescente número de vítimas civis em Mianmar, onde os militares estão reprimindo os protestos contra o golpe dado no mês passado.

A declaração afirma que o governo japonês “condena fortemente a situação em Mianmar, onde o uso da força contra civis por parte das Forças Armadas e polícia de Mianmar continua a causar um grande número de mortos e feridos no país, com o número de mortes chegando ao seu mais alto total em um dia em 27 de março”.

Ainda segundo o documento, “abrir fogo contra civis, tratar seus presos de forma desumana e censurar a atividade da mídia” são “ações que contradizem o anúncio oficial feito pelas Forças Armadas de Mianmar sobre a importância da democracia”.

Também exorta a liderança militar a se lembrar de que as Forças Armadas são “uma organização que tem como objetivo proteger as vidas de seus cidadãos contra ameaças externas”.

A declaração afirma que o governo japonês uma vez mais exorta os militares de Mianmar a parar imediatamente de utilizar a violência contra civis, a liberar a Conselheira de Estado Aung San Suu Kyi e outros presos, como também a restaurar rapidamente o sistema político democrático de Mianmar.