NHK Responde: Comparações de novos tipos de variantes do coronavírus

A NHK responde a perguntas dos ouvintes sobre o novo coronavírus. Na 29ª parte da nossa série sobre vacinas, nós continuamos a observar as características de variantes do coronavírus e a eficácia de vacinas. Desta vez, vamos comparar os novos tipos de variantes.

Uma pessoa que entrou no Japão procedente das Filipinas em 25 de fevereiro foi confirmada como sendo portadora de uma variante diferente das prevalentes no Reino Unido, na África do Sul ou no Brasil. Esta variante tem uma mutação chamada de N501Y, além de uma mutação conhecida como E484K na proteína spike, que auxilia o vírus a se esquivar de ataques de anticorpos.

O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão afirma que a variante, anteriormente reportada nas Filipinas, pode ser mais infecciosa do que a cepa original e representar uma ameaça como outros tipos de variantes que se disseminam em todo o mundo.

O Japão também detectou até 3 de março quase 400 casos de um outro tipo de variante com a mutação E484K. Esta variante não possui a mutação N501Y, o que significa que não deve ser mais transmissível do que a cepa original. No entanto, pesquisadores dizem que algumas mutações desta variante podem ter ocorrido no Japão.

O Instituto Nacional de Doenças Infecciosas designou esta como sendo “uma variante de interesse”. Pesquisadores realizam estudos mais aprofundados através da análise dos genes e de outros métodos.

Estas informações são referentes ao dia 24 de março. Elas estão disponíveis no site da NHK WORLD-JAPAN na internet e nas redes sociais da NHK.