Cidade do Japão planeja homenagem especial durante cerimônia da tocha paralímpica

Uma cidade próxima a Tóquio tem planos de mandar uma forte mensagem contra a discriminação no momento em que acender a chama para o revezamento da tocha das Paralimpíadas de Tóquio.

A NHK foi informada de que a cidade de Sagamihara decidiu acender a tocha paralímpica no local onde havia um lar de acolhimento para pessoas com deficiência intelectual que foi o palco de um violento homicídio em massa cinco anos atrás.

Um ex-trabalhador da instituição Tsukui Yamayuri-en teve um ataque de fúria em julho de 2016, matando 19 residentes no que acabou se tornando um dos piores massacres do Japão.

Fontes afirmam que a cidade de Sagamihara informou aos organizadores da Paralimpíada de Tóquio sobre seus planos de acender a chama no local onde ocorreu o incidente.

Informaram que a cidade espera mandar uma mensagem ao mundo de que tem como objetivo erradicar todas as formas de discriminação, ressoando com os ideais das Paralimpíadas em buscar uma sociedade onde todas as pessoas possam coexistir.

O lar de acolhimento foi demolido após o incidente e uma nova instituição está sendo construída em seu lugar. Autoridades municipais planejam perguntar aos familiares das vítimas, entre outras pessoas, sobre suas opiniões sobre como acender a chama.

A chama paralímpica será acesa em diversas cidades de todo o Japão a partir de 12 de agosto. Elas serão levadas à Tóquio, onde serão combinadas para acender a pira paralímpica na cerimônia de abertura no dia 24 de agosto.