Sem espectadores do exterior nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, Tóquio poderá ter que arcar com mais despesas

Sem espectadores procedentes do exterior, os Jogos Olímpicos e Paralímpicos deste verão deverão acarretar um ônus financeiro adicional ao Governo Metropolitano de Tóquio.

O comitê de organização dos Jogos disse que as pessoas do exterior que compraram entradas para os eventos serão reembolsadas. Cerca de 630.000 tíquetes foram vendidos até agora no exterior.

Um contrato entre o Comitê Olímpico Internacional (COI), o governo de Tóquio e outros órgãos determina que caso o comitê de organização sofra perdas, o governo metropolitano será o primeiro a cobrí-las. Se o governo de Tóquio não for capaz de arcar com todos os gastos, o governo central assumirá as despesas.

Anteriormente, o comitê havia estimado uma receita de aproximadamente 830 milhões de dólares proveniente das entradas vendidas tanto dentro como fora do Japão.

O governo metropolitano diz que ainda não sabe quanto deverá devolver das estimadas receitas dos tíquetes, uma vez que o comitê de organização não fez o levantamento de tais dados.

No entanto, autoridades de Tóquio dizem que a renda proveniente das vendas de entradas poderá ter uma redução, levando em conta a possibilidade de que fãs no Japão poderão ser reembolsados após ser decidido o limite no número de espectadores domésticos no mês de abril.

O custo total dos Jogos Olímpicos de Tóquio excedeu o valor de 15 bilhões de dólares, com gastos adicionais resultantes do adiamento do evento por um ano devido à pandemia do coronavírus.

O governo de Tóquio já decidiu arcar com cerca de 140 milhões de dólares da parte faltante na receita do comitê, porém, dependendo do limite do número de espectadores domésticos, o ônus financeiro poderá aumentar ainda mais para a capital do Japão.