Chanceleres do G-7 condenam violência em Mianmar

Ministros dos países integrantes do Grupo dos Sete condenaram a violência praticada por autoridades de segurança de Mianmar em pessoas que se manifestam contra o golpe realizado no país.

Em comunicado divulgado terça-feira, os ministros afirmam: “É inaceitável o uso de munição real contra indivíduos desarmados.”

Expressam preocupação com “o cerceamento da liberdade de expressão por meio de diversas medidas, como a interrupção do acesso à internet e mudanças draconianas na legislação que impedem a população de se expressar”.

O comunicado condena a repressão em curso como “intimidação e opressão aos que se opõem ao golpe”. Pede “a imediata e incondicional libertação dos detidos arbitrariamente, incluindo a conselheira de Estado Aung San Suu Kyi”.

Os ministros declararam que continuam a apoiar a população de Mianmar em sua busca de democracia e liberdade.

Greves gerais e grandes manifestações têm sido realizadas em várias partes de Mianmar em protesto contra o golpe militar do dia 1º. Forças de segurança dispararam armas de fogo contra manifestantes, resultando em mortes e ferimentos.