Funeral é realizado em Mianmar para vítima baleada durante protesto contra o golpe militar

Um funeral foi realizado em Naypitaw, capital de Mianmar, para uma mulher que foi morta a tiros durante um protesto contra o golpe militar no país.

Mya Thwate Thwate Khaing recebeu um tiro na cabeça no dia 9 de fevereiro na capital do país. A jovem de 20 anos de idade morreu na sexta-feira.

Esta foi a primeira morte confirmada de um manifestante desde o golpe militar de 1º de fevereiro.

Muitas pessoas, incluindo parentes da jovem, a homenagearam em seu funeral no domingo.

Em Yangon, a maior cidade de Mianmar, pessoas colocaram flores em frente a uma fotografia de Mya Thwate Thwate Khaing.

Protestos de enormes proporções vêm ocorrendo em todo o país por mais de duas semanas. Forças de segurança estão reforçando as medidas para dispersar os manifestantes com uso da força, como utilizar canhões de água e armas de fogo, resultando em ferimentos e mortes.

No sábado, a polícia de segurança de Mandalai, a segunda maior cidade de Mianmar, abriu fogo contra trabalhadores que se recusaram a retornar a unidades de fornecimento de petróleo. Os trabalhadores estavam realizando uma caminhada em protesto contra o golpe.

Voluntários em equipes de resgate afirmam que dois homens, com idades de 17 e 36 anos, morreram após terem sido baleados na cabeça e no peito, respectivamente. Afirmam que pelo menos 30 pessoas sofreram ferimentos.