Aung San Suu Kyi tem sua detenção estendida

Aung San Suu Kyi, a conselheira de Estado de Mianmar deposta pelo golpe militar, está sendo submetida a um período de detenção prolongado.

Aung San Suu Kyi e outros líderes políticos, incluindo o presidente Win Myint, permanecem presos desde o golpe militar do dia 1º de fevereiro. A sua detenção estava prevista para terminar nesta quarta-feira.

Um advogado representando Aung San Suu Kyi e autoridades do tribunal na capital, Naypitaw, declararam a repórteres em diferentes ocasiões na terça-feira que a até então líder de fato do país estava sendo acusada de importar ilegalmente rádios de comunicação portáteis e de utilizá-los sem permissão.

Afirmaram que ela também enfrenta acusações de ter infringido as regulações para o coronavírus durante a sua campanha eleitoral no ano passado. A mesma acusação foi apresentada contra Win Myint.

Os dois líderes teriam participado de uma audiência online do tribunal na terça-feira. A próxima etapa do procedimento seria realizada em 1º de março.

Um porta-voz das Forças Armadas disse a repórteres que tanto Aung San Suu Kyi quanto Win Myint passam bem de saúde.

Acredita-se que os protestos venham a se intensificar com extensão da detenção de Aung San Suu Kyi.