Especialistas da OMS concluem visita a Wuhan para investigar origens do coronavírus

Especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) concluíram sua visita a Wuhan. Eles estiveram na cidade chinesa para investigar as origens do coronavírus, que já infectou mais de 106 milhões de pessoas em todo o mundo.

Em conversa com repórteres, na terça-feira, o líder da equipe da OMS, Peter Ben Embarek, declarou que as descobertas dos especialistas dão a entender que é improvável que o vírus tenha escapado de um laboratório local.

Eles visitaram o Instituto de Virologia de Wuhan e entrevistaram funcionários no local. A instalação é conhecida por sua pesquisa sobre coronavírus em morcegos. A gestão do ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alegou que o vírus pode ter escapado do instituto.

O governo americano reagiu à coletiva de imprensa. A secretária de Imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que a gestão de Joe Biden quer realizar uma revisão independente das descobertas e que é “imprescindível” que os Estados Unidos tenham sua própria equipe de especialistas em Wuhan.

Um porta-voz do Departamento de Estado americano acrescentou que “ainda há contas a acertar” sobre se a equipe da Organização Mundial da Saúde obteve a total cooperação por parte da China.