Premiê do Japão diz que o governo vai oferecer vacinação para todos no país

O primeiro-ministro do Japão enfatizou que o governo vai assegurar que todos os habitantes do país possam ser inoculados porque as vacinas são a medida mais importante para conter a propagação do coronavírus.

Diante de uma comissão da Câmara Baixa do Parlamento japonês, Suga Yoshihide disse nesta segunda-feira estar ciente do ponto de vista de que o Japão está atrasado na homologação de vacinas em comparação com países do Ocidente.

Argumentou que a quantidade de infecções no Japão é bem menor do que em nações ocidentais e que, assim, os resultados de testes clínicos levam mais tempo para sair. Além disso, afirmou ser necessária a realização de testes clínicos especificamente para os japoneses, pois as vacinas podem ter efeito distinto em indivíduos de diferentes raças. Acrescentou que a homologação leva muito tempo porque as autoridades da saúde precisam se certificar de que as vacinas sejam eficazes e seguras.

O ministro encarregado do programa de vacinação japonês afirmou que provavelmente o governo será capaz de obter as doses suficientes para a vacinação de indivíduos considerados prioritários a ter início, se possível, em meados deste mês.

Kono Taro explicou que o governo pretende começar a inocular idosos a partir de abril com o uso da vacina desenvolvida pelo laboratório americano Pfizer. Serão duas doses da mesma vacina para cada um.

O ministro informou ainda que estão sendo feitos testes para verificar se as vacinas existentes são eficazes contra variantes do vírus. Referiu-se, então, a resultados de algumas pesquisas, segundo os quais até certo ponto as vacinas são eficazes contra certas mutações.