Advogado de Aung San Suu Kyi afirma que visitações à cliente estão proibidas

Um advogado que representa a líder de fato de Mianmar detida durante o golpe de segunda-feira, Aung San Suu Kyi, declarou que sua cliente havia sido proibida de exercer seu direito legal de se comunicar com um advogado.

Ela é acusada de importar ilegalmente dez peças de equipamentos de comunicação e de usar tais dispositivos sem permissão.

Khin Maung Zaw, que havia sido solicitado pela Liga Nacional pela Democracia para defender a líder do partido, declarou para a NHK por telefone no sábado que as autoridades alegam que ela ainda está sendo investigada e que não lhe concederam permissão para visitá-la.

Ele pediu o apoio da comunidade internacional, afirmando que as autoridades não lhe informaram por quanto tempo ela permanecerá detida, e que ele e sua cliente não fazem ideia sobre o que vai acontecer devido à falta de transparência.