Crescem os protestos contra o golpe militar em Mianmar

Crescem durante o final de semana os protestos em Mianmar buscando a libertação de Aung San Suu Kyi, líder de fato do país. Ela foi detida após um golpe militar.

Manifestantes se reuniram no sábado em pelo menos cinco locais da maior cidade do país, Yangun, realizando os maiores protestos desde o golpe.

Eles entoaram palavras de ordem contra a ditadura e exigiram a soltura de todas as pessoas detidas.

Alguns faziam saudações com três dedos erguidos, um símbolo de resistência usado por jovens manifestantes contra o governo na nação vizinha, Tailândia.

Policiais armados foram mobilizados nas proximidades dos protestos, mas no sábado eles apenas monitoraram a situação.

Os manifestantes faziam convocações pela realização de mais protestos no domingo. Eles estão impossibilitados de usar as redes sociais porque foram suspensas as conexões com a internet.

O ministério responsável por transportes e comunicações havia ordenado às empresas de telecomunicações do país que interrompessem o serviço de internet até as 11h59 da noite de domingo.