EUA criticam ações de militares em Mianmar

Os Estados Unidos afirmam estar consternados com relatos de que militares de Mianmar detiveram a líder Aung San Suu Kyi e outros membros de alto escalão do partido governista do país.

A porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou em uma declaração proferida no domingo que os Estados Unidos insistem que “os militares e todos os outros partidos adotem regras democráticas e sigam o Estado de direito”. A mensagem também pede a libertação dos detidos.

E acrescenta: “Os Estados Unidos se opõem a qualquer tentativa de alterar o resultado das últimas eleições e impedir a transição democrática de Mianmar, e irão tomar medidas contra os responsáveis caso essa movimentação não seja revertida.”

A chanceler da Austrália, Marise Payne, afirmou que “o governo australiano está profundamente preocupado com os relatos” de tomada de poder. Ela pediu que os militares de Mianmar “respeitem o Estado de direito”.