Líderes oposicionistas de Hong Kong condenam prisão de ativistas pró-democracia

Líderes oposicionistas de Hong Kong condenaram a prisão de 53 ativistas pró-democracia sob suspeita de violarem a lei de segurança nacional para o território.

Na quarta-feira, os suspeitos foram presos sob a acusação de subversão vinculada à votação não oficial organizada por ativistas pró-democracia para a escolha de candidatos à eleição para o Conselho Legislativo, que ocorreria em setembro do ano passado mas acabou sendo adiada.

Segundo grupos pró-democracia, entre os presos está Wu Chi Wai, ex-membro do Conselho Legislativo e ex-presidente do Partido Democrático.

O escritório do governo chinês no território revelou a prisão de Benny Tai, ex-professor associado da Universidade de Hong Kong e um dos organizadores das primárias não oficiais.

O presidente do Partido Democrático, Lo Kin-hei, declarou à imprensa que o governo optou por não ouvir os cidadãos, escolhendo utilizar “uma lei draconiana para se vingar de líderes políticos apoiados pelos cidadãos”. Entre os suspeitos presos encontram-se sete membros do Partido Democrático.