Cientistas japoneses desenvolvem método mais rápido para detecção de variantes do coronavírus

A NHK apurou que pesquisadores no Japão desenvolveram um método para possibilitar a pronta detecção de variantes do coronavírus que têm se espalhado rapidamente no Reino Unido e na África do Sul.

A leitura do código genético do vírus, no momento, requer o uso de equipamentos especiais de sequenciamento. O processo leva mais de doze horas.

No entanto, cientistas do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas no Japão desenvolveram um método mais rápido graças ao uso da tecnologia de testes PCR, que os permite confirmar as mutações N501Y. Os pesquisadores dizem que o processo leva apenas poucas horas e que será possível verificar uma grande quantidade de amostras com o uso de equipamentos de testes PCR já existentes.

Hasegawa Hideki, diretor do Centro de Pesquisa do Vírus da Influenza, do mesmo instituto, disse à NHK que há mais trabalho a ser feito para tornar o procedimento mais preciso, para que a tecnologia possa ser utilizada para reforçar os sistemas de monitoramento.