Tóquio e províncias vizinhas preparam-se para emissão de segunda declaração de estado de emergência

Autoridades do setor de saúde do Japão estão constatando números sem precedentes de novos casos de infecção por coronavírus. Na terça-feira, mais de 4.900 infecções foram confirmadas em todo o Japão. O aumento levou o governo central a considerar a declaração de um outro estado de emergência para Tóquio e três províncias vizinhas - Kanagawa, Saitama e Chiba. A área contabiliza, agora, a metade do total diário de infecções registradas em todo o país.

O primeiro-ministro do Japão, Suga Yoshihide, disse que o governo tomará uma decisão final acerca do estado de emergência na quinta-feira, e a medida deverá permanecer em vigor por cerca de um mês.

A declaração dará aos governadores provinciais a autoridade legal para exortar os residentes a cooperarem nos esforços de prevenção.

Os quatro governadores vão pedir que os habitantes evitem fazer saídas não necessárias após as 20h00, assim como aos bares e restaurantes a não atenderem após esse horário.

Contudo, o estado de emergência é menos rígido no Japão do que aquele imposto em vários países ocidentais. Até agora, a medida tem sido confiada em termos voluntários, ao invés de impor um lockdown severo.

Suga disse que vai submeter uma revisão legal no Parlamento de forma a poder aplicar penalidades àqueles que não cumprirem as normas.

Com o aumento do número de pacientes gravemente enfermos, os governadores ao redor da capital estão advertindo que o sistema de cuidados médicos poderá entrar em colapso. Trabalhadores médicos da linha de frente expressam esperanças de que o estado de emergência incentive as pessoas a ficarem mais alertas.