Tóquio e províncias vizinhas se preparam para segundo estado de emergência

O primeiro-ministro do Japão, Suga Yoshihide, afirmou que o segundo estado de emergência será mais focado que uma medida similar implementada no ano passado. Milhões de pessoas em Tóquio e redondezas se prepararam para o estado de emergência, em meio ao contínuo aumento nos casos de coronavírus.

Na terça-feira, Suga declarou que o governo vai tomar a decisão final a respeito na quinta-feira. Ele também disse que a declaração será válida para Tóquio e as seguintes províncias vizinhas: Saitama, Chiba e Kanagawa. A medida deve permanecer em vigor por cerca de um mês.

O estado de emergência confere aos governadores provinciais a autoridade legal para exortar a população a cooperar nos esforços antivírus.

Os quatro governadores vão pedir à população que se abstenha de saídas não essenciais após às 20h. Eles também requisitarão a bares e restaurantes que fechem nesse horário.

No Japão, o estado de emergência é menos rígido que em muitos países ocidentais. Até o momento, ele tem se valido de fechamentos voluntários em vez de lockdowns estritos. No entanto, o premiê japonês afirmou que vai enviar uma revisão legal ao Parlamento para que penalidades possam ser impostas para quem não acatar os pedidos.

O governo central trabalha ainda com autoridades locais nas áreas afetadas visando endurecer mais ainda as regras para eventos e para encorajar empresas e negócios a permitir que um número maior de funcionários trabalhe remotamente.

Tóquio e as três províncias vizinhas perfizeram cerca de metade das infecções registradas nos primeiros três dias de 2021 no país. Com a disparada do número de pacientes em estado crítico, os governadores advertem que o sistema de saúde pode entrar em colapso.