China e União Europeia concordam com princípios para fechar acordo de investimentos

A China e a União Europeia concluíram, em princípio, negociações que duravam sete anos a respeito de um acordo de investimentos corporativos.

Líderes chineses e do bloco europeu realizaram uma videoconferência na quarta-feira e concordaram sobre um pacto com o objetivo de impulsionar investimentos entre as duas partes.

O foco das discussões foi sobre a proteção dos trabalhadores na China. A União Europeia afirma que a população da Região Autônoma de Xinjiang Uygur está sendo forçada a trabalhar e insiste que a China melhore a situação. Outro ponto levantado foi sobre uma prática chinesa em que empresas europeias são forçadas a transferir suas tecnologias em troca de acesso aos mercados locais.

O bloco europeu afirma que a China concordou em buscar ratificar um tratado internacional que proíbe trabalhos forçados e em oferecer melhorias em relação à questão da transferência forçada de tecnologias.

A União Europeia diz que o acordo é o mais ambicioso já firmado pela China. No entanto, alguns membros do bloco afirmam que os compromissos chineses de proteção aos trabalhadores deixam a desejar.