Polícia de Nova York investiga instalação de saúde por possível obtenção ilícita de vacina contra o coronavírus

A polícia do estado de Nova York está investigando uma instalação de saúde, que teria obtido, de maneira fraudulenta, vacina contra o coronavírus e oferecido doses a pessoas que não são consideradas prioritárias.

Autoridades do setor de saúde de Nova York emitiram um comunicado sobre as alegações no sábado. Segundo elas, uma instalação operada pela rede de saúde comunitária ParCare, com base na cidade de Nova York, pode ter obtido a vacina utilizando um formulário de solicitação ilícito.

As autoridades afirmam que a vacina pode ter sido desviada para as pessoas que não são alvo no plano do estado, que prevê a administração de doses primeiramente para os profissionais de saúde que estão na linha de frente, assim como os residentes das casas de cuidados de idosos e seus funcionários.

A edição online do New York Times, publicada no domingo, citou um representante da instalação que teria dito que foram obtidas de autoridades sanitárias do estado 2.300 doses da vacina, e que já foram ministradas 850 doses segundo orientações das autoridades do estado.

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, disse na segunda-feira em uma entrevista coletiva que as autoridades não vão tolerar quaisquer fraudes no processo de vacinação. Ele declarou também que as pessoas que se envolverem em fraude serão responsabilizadas por isso.

Cuomo afirmou que irá assinar uma ordem para que a violação das orientações do estado possa incorrer em multas de até 1 milhão de dólares e na cassação de licença de médicos e enfermeiros.