Japão e Coreia do Sul permanecem divididos em questão de “mulheres de conforto”

O Japão e a Coreia do Sul permanecem divididos sobre a questão das chamadas mulheres de conforto, mesmo após cinco anos terem se passado desde que os dois países concordaram em resolver a disputa.

Em dezembro de 2015, Tóquio e Seul confirmaram que a questão estava resolvida de forma final e irreversível. Com base no acordo, o governo japonês forneceu cerca de 9,6 milhões de dólares para o estabelecimento de uma fundação que tem como objetivo dar suporte às antigas mulheres de conforto.

No entanto, o governo do presidente sul-coreano Moon Jae-in, que teve início em 2017, vem criticando o acordo, afirmando que ele não reflete as vozes das mulheres. O seu governo anunciou de forma unilateral a dissolução do fundo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Motegi Toshimitsu, afirma que o acordo de 2015 é uma promessa entre as duas nações e que deve ser respeitado por governos subsequentes.

Os laços entre o Japão e a Coreia do Sul também ficaram desgastados por conta de uma questão de trabalhos realizados no período da guerra. Autoridades japonesas afirmam que planejam manter o contato entre burocratas de alto escalão e parlamentares de ambos os países visando resolver as disputas.