Ex-premiê japonês pede desculpas por comentários feitos no Parlamento

O ex-premiê do Japão Abe Shinzo disse que alguns comentários feitos anteriormente por ele, no Parlamento, sobre festas realizadas por seu grupo de apoio político, não estavam corretos em termos factuais e ofereceu um pedido de desculpas.

Abe falou em uma reunião de comitê do Parlamento na sexta-feira, um dia após a promotoria ter feito acusação sumária contra seu secretário por suposta irregularidade no relatório de receitas e despesas relacionadas. As festas foram realizadas na véspera de eventos para a apreciação das flores de cerejeiras patrocinados pelo governo, durante o mandato de Abe como primeiro-ministro.

Abe tinha explicado repetidas vezes no Parlamento que todos os gastos das festas tinham sido cobertos pelos participantes. Ele tinha insistido que não havia nada a ser incluído nos relatórios de fundos políticos porque não havia receitas ou despesas relacionadas aos eventos.

O ex-premiê disse ao comitê que investigações mostraram que seu grupo de apoio tinha arcado com parte dos custos das festas, mas não chegaram a declarar os valores nos relatórios políticos. Abe afirmou que se sentia moralmente responsável, apesar de não ter tido conhecimento do processo contábil. Ele declarou que gostaria de pedir desculpas a legisladores e ao povo do Japão.

Um legislador oposicionista sugeriu que Abe deveria deixar sua cadeira no Parlamento, por conta das normas sociais e regras de cumprimento das leis.

Abe respondeu que o que disse no Parlamento era verdade dentro de seu conhecimento, após checar os fatos com pessoas responsáveis. Contudo, o ex-premiê afirmou que somente ele era responsável por ter feito declarações equivocadas em termos factuais.

Abe disse que irá refletir sobre o que aconteceu e se empenhar para restaurar a confiança do público, e dedicar esforços para efetuar melhoria.