Congresso dos EUA aprova projeto de lei em apoio ao Tibete

Legisladores dos Estados Unidos aprovaram um projeto de lei que pode culminar em sanções contra a China, caso o país interfira no processo do povo tibetano para a escolha de um sucessor para seu líder espiritual, o Dalai Lama.

Na segunda-feira, a Câmara dos Representantes e o Senado aprovaram a Lei de Política e Apoio ao Tibete por maioria de votos.

A lei estipula que qualquer tipo de interferência por parte do governo chinês à sucessão do Dalai Lama será considerado como uma séria violação dos direitos humanos que culminarão em sanções.

Diz ainda que a China não terá permissão de montar um novo consulado nos Estados Unidos até que Washington receba seu próprio posto diplomático em Lhasa, a principal cidade do Tibete.

A lei se segue à recente ação de legisladores americanos em apoio ao movimento pró-democracia em Hong Kong e aos uigures, a minoria étnica muçulmana da região autônoma de Xinjiang Uygur.

Na terça-feira, o porta-voz da chancelaria chinesa, Wang Wenbin, afirmou que as questões envolvendo o Tibete, Taiwan e Hong Kong lidam com a soberania e a integridade territorial da China e que, portanto, não serão permitidas quaisquer interferências estrangeiras.

O porta-voz lembrou que seu país pede que os Estados Unidos parem de interferir em assuntos internos chineses sob o pretexto de defenderem os direitos humanos.