Premiê japonês pedirá desculpas a demandantes de ações judiciais de esterilização forçada

O primeiro-ministro do Japão, Kishida Fumio, diz que planeja pedir desculpas aos demandantes das ações judiciais que envolvem esterilização forçada, na semana que vem.

A medida ocorre após a Suprema Corte do Japão ter decidido que a agora extinta Lei de Proteção Eugênica, que obrigava pessoas com certas deficiências a se submeter a tal procedimento, era inconstitucional, e ter ordenado o pagamento de indenizações às pessoas afetadas.

Na terça-feira, em uma reunião de executivos do governista Partido Liberal Democrático, Kishida disse que se encontrará com os demandantes no dia 17 de julho. Ele disse que o governo declarou claramente que está sinceramente arrependido e pede profundas desculpas.

O governo planeja realizar os procedimentos para pagar as indenizações com base na decisão judicial e também considerar um novo esquema de compensação, levando em conta o sofrimento e as idades avançadas das vítimas.

Na reunião com os demandantes, Kishida deverá explicar o novo esquema de compensação.