Em Okinawa, prefeito busca melhor comunicação sobre casos envolvendo militares dos EUA

O prefeito de um município de Okinawa pediu ao Ministério dos Negócios Estrangeiros o restabelecimento de um sistema de compartilhamento imediato de informações sobre incidentes envolvendo militares dos Estados Unidos na província do sul do Japão.

Na terça-feira, o prefeito de Yomitan, Ishimine Denjitsu, visitou o escritório do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Okinawa. O município abriga instalações militares dos EUA.

Na semana passada, foi revelado que um membro da Força Aérea dos EUA em Okinawa havia sido acusado em março do suposto sequestro e agressão sexual de uma menor em dezembro do ano passado. Além disso, em junho, um membro do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA na província foi acusado de tentar agredir sexualmente e de ferir uma mulher.

O governo da província de Okinawa não havia sido informado sobre nenhum dos dois casos.

Os supostos crimes resultaram em diversas reações na província, e várias assembleias municipais adotaram resoluções de protesto.

Segundo o prefeito Ishimine, esses casos atropelam os direitos humanos das mulheres, são graves, maliciosos e absolutamente indesculpáveis. Ishimine acrescentou que as autoridades locais ficaram meio ano sem saber sobre o caso de dezembro, e que se as informações tivessem sido compartilhadas adequadamente, isso poderia ter evitado a ocorrência de casos semelhantes.

O embaixador da chancelaria encarregado de Assuntos de Okinawa, Miyagawa Manabu, lamentou os incidentes e disse que o ministério está consultando outros escritórios do governo, incluindo autoridades investigativas, sobre como revisar o sistema de compartilhamento de informações. Ele disse esperar que o resultado possa ser divulgado o quanto antes.