Mais de 1.300 peregrinos muçulmanos morrem por calor extremo na Arábia Saudita

O ministro da Saúde da Arábia Saudita afirmou que mais de 1.300 pessoas morreram em consequência de calor extremo na peregrinação anual do hajj.

Todos os anos, muçulmanos de várias partes do mundo visitam locais sagrados em Meca, na região oeste da Arábia Saudita.

Os peregrinos caminham dia e noite por vários dias em Meca e arredores.

Este ano cerca de 1,8 milhão de peregrinos participaram do hajj, realizado de 14 de junho à quarta-feira da semana passada, sob elevadas temperaturas que ultrapassaram 50 graus.

Em entrevista por telefone a uma televisão local, o ministro da Saúde da Arábia Saudita declarou domingo que 1.301 peregrinos morreram de insolação ou outras causas.

Segundo Fahad Al-Jalajel, mais de 80% das pessoas que morreram não haviam obtido o visto necessário para participar do hajj.

O ministro acrescentou que uma possível causa das mortes teria sido falta de uso de acomodações e serviços de transporte adequados.